sexta-feira, 21 de junho de 2019

Regresso a Reims de Didier Eribon

A recensão de Pedro Miranda.





1.Pode ser maior a vergonha social - a vergonha das origens sociais, familiares, que a todo o custo se pretende ocultar - do que a vergonha sexual - a vergonha de uma orientação sexual minoritária, que se pretende esconder. Didier Eribon assume ter tido maior relutância/dificuldade em escrever sobre a primeira do que acerca da segunda. No agora professor universitário, convive a filiação em uma família pobre com a homossexualidade. Regresso a Reims (D.Quixote, 2019, tradução de João Carlos Alvim) é tanto uma auto-biografia que permite fazer uma sociologia, como, dir-se-ia, uma sociologia que pode ser instrumento de pacificação consigo próprio - muitas vezes, Eribon aponta o dedo a si mesmo, ao seu egoísmo (p.106), ao seu abandono da família, em especial - e com aqueles a quem pertence - um pai, cuja personalidade detestara passa, na sua reelaboração sociológica do mundo, a ser uma vítima de uma determinada ordem social.

2.Do ponto de vista político, percebe-se muito bem, creio, a pertinência da publicação deste livro (mesmo) uma década após a sua edição original: a sua aproximação ao movimento da "classe operária"[já problematizaremos a expressão, no que possa conter/transmitir de (não) unívoca] da esquerda comunista à extrema direita resiste perfeitamente ao tempo e permite uma abordagem que tende a ser mais complexa, densa, completa que o retrato jornalístico mais típico (a este respeito). Eribon observa esta mesma realidade na sua família. Da militância comunista, muito convicta, até ao voto na Front National. Nuance: a passagem não se dá apenas para a extrema-direita; em certas eleições, mãe e irmãos haviam votado (passaram a votar) num candidato da direita (tout-court; não necessariamente um voto no candidato de extrema-direita).
Em 1977, o PC francês alcançara 20-21% dos votos. O que contribui para o seu declínio, então? Na análise deste homem formado em Filosofia, tratou-se de i) uma incapacidade (do partido comunista francês) de romper com o PC soviético, que financiava o seu congénere gaulês; ii) uma incompetência d interpretação, leitura, integração dos movimentos sociais surgidos na sequência do maio de 68; iii) a desilusão com a governação, na qual participaram membros comunistas, no início dos anos 80 (em 1981, Miterrand congrega, para si, uma parte dos comunistas, que alcançam apenas 15%); iv) a aceitação, pela esquerda, de uma espécie de contra-revolução ideológica, conservadora, à qual acabou por aderir; v) neste contexto, a perda, a mudança da linguagem (p.120) revelou-se, igualmente, determinante (diz Eribon, em dois exemplos, que deixou de se falar em exploração e resistência e passou a falar-se de «modernização necessária» e «refundação social»Desapareceram as noções de classe e da polaridade entre dominadores e dominados; vi) o discurso sobre os operários varreu-se e, estes mesmos, os operários obliterados do espaço público (mediático), isto é, deixa de haver uma representação (das perspectivas, dos interesses) de tais operários.
A coligação entre grupos determinados grupos sociais - mundo operáriofuncionários públicosprofessores - quando o «voto operário» era comunista - passa (agora) a ser outra quando a extrema direita recebe os votos operários: operáriosprecárioscomerciantesreformados abastados do sul da Françamilitares fascistasfamílias católicas tradicionais comporão uma nova coligação político-social...(p.127)
Muito interessantemente, Didier Eribon coloca, depois, em crise o pressuposto da «naturalidade» da adesão operária ao comunismo, para concluir que nunca o voto operário nos comunistas foi além dos «30%», sempre a direita tendo alcançado muitos dos sufrágios deste grupo (ao contrário do que tantas vezes se supõe, ou dá como adquirido).
Ainda segundo o ensaísta - que trabalhou no mundo do jornalismo, no Liberation e no Nouvel Observateur - o voto nos comunistas, pelos operários, era um voto que, depositado individualmente, era realizado em nome de uma «classe»; o voto na Front National era (é) uma soma dos preconceitos individuais de cada um dos operários. O PC captava tanto quanto moldava uma opinião/modo de estar políticos; a Front National limita(va)-se a incorporar os piores preconceitos dos seus putativos votantes. Neste aspecto, na visão do autor, durante anos, pertencer ao Partido significava, por exemplo, que a perspectiva racista, ou anti-imigração de muitos membros do operariado tinha que ser, depois, por estes, (auto-)anuladas - e essa era uma dimensão que tais militantes aceitavam, sabiam, viam, quase, com benignidade (uma espécie de missão civilizante que a integração política, naqueles termos, incluía; mesmo que o livro nos diga também dos flirt's do próprio Partido com posicionamentos anti-imigração; esta auto-biografia realça também que o movimento operário, as suas características, nas décadas de 60 e 70 do século XX não eram nada idênticas às dos anos 20/30).
Na descrição do posicionamento político dos seus familiares, a ideia de que se o voto no PC - enquanto durou - foi convicto, confiante e assumido, o voto na extrema direita não tinha (tem) o grau de adesão, de lealdade e de clareza (assunção do voto; a questão do voto escondido), ou mesmo identificação programática daquele (anterior).

3.Em O ódio à democraciaJacques Ranciére havia escrito que a democracia é o regime para o qual não há uma competência particular para nela se exercer um cargo, ser um representante (participar). Título académico, ascendência, (ser-se um) profissional de determinada área; nada habilita - a não ser o facto de ser cidadão - alguém para exercer o poder em democracia. Neste sentido, a democracia - nela exercer-se um determinado cargo - é o regime de todos (ou, se se preferir, de ninguém). Não há grupos "naturalmente" (pre)destinados a liderar num regime democrático, não há peritos ou tecnocratas a quem esteja destinado um cargo.
Este postulado, contudo, em não deixando de conter uma crítica implícita a um círculo restrito dos que se vão mantendo no (ou gravitando em torno do) poder (e seus corredores) ao longo de anos, como que pretendendo alargar o grupo dos que deviam ser tidos em conta para exercer cargos de governo (nos últimos anos, o regresso da ideia de sorteio, em democracia, tem tido particular força em diversos debates), recusando a tecnocracia, chamando a atenção para uma potencial elitização dos grupos de recrutamento e das vozes que fazem falta - outras experiências de vida, outros percursos a não serem levados em atenção, pelo menos em algumas democracias, do que os do universitárioadvogadoprofessor... -, podendo, aliás, retirar-se que assim se chamava a atenção para a reconhecida brecha entre representantes representados, não convence, de modo substantivo, Didier Eribon: para este, que cita expressamente esta obra de Ranciére, não se trata de emancipação (com esta proposta, a da não necessidade de competência para se exercer a democracia), na medida em que, com esta ideia, não se chega, sequer, a questionar porque os que não têm competência - num regime que a dispensa - não a possuem; por que é que os grupos sem especial qualificação, pensam, votam e decidiriam como o fazem (fariam; no caso de exercerem esse cargo...no seu entender, perigosamente, como depreende do que observa na família; mas ainda aqui um medo do povo, criticar-se-ia e, de qualquer forma, a ausência de competência, levada ao limite, colocaria o problema da competência para exercer um sufrágio)

4.No final da adolescência, e durante a sua juventude, Eribon quis afastar-se, o máximo possível, do meio de onde veio que representava, então, tudo o que lhe repugnava no plano dos sentimentos, práticas e ideias. Sentia, por exemplo, auto-complacência por não ter nos pais os interlocutores que achava merecer para os seus diálogos culturais. Ao contrário do que propunha Deleuze, para os pais de Didier Eribon ser de esquerda não tinha nada a ver com o suplantar do interesse pela sua rua e envolver-se emocionalmente com os oprimidos do mundo inteiro; eram considerações de ordem pragmática e muito comezinhas que os levavam a optar pela gauche (era esta que defendia os seus interesses nas questões que os importavam no seu quotidiano francês). racismo estava presente claramente na família (pp.133-134) - mais tarde, Eribon dirá perceber que a matança de cordeiros em sacrifício, os cheiros horríveis a comida num inteiro bairro, as pichagens nas paredes, a destruição de equipamentos sociais por parte de vizinhos magrebinos, justifica uma merecida indignação: mas como se faz disto uma visão global do mundo, assente no racismo?, era uma interrogação que o mortificava -, a homofobia, o anti-intelectualismo (atente-se na cena em que Eribon chega a casa com o Le Monde), os dichotes populares contra "os pretos", ou os "maricas" ou os "boches" (como chamavam, depreciativamente, aos alemães). A recusa de excessiva importância, e muito menos de poder, da juventude (nomeadamente universitária), fosse na família, fosse para ter em conta em termos político-sociais. O pai de Eribon ia para a taberna beber, embriagava-se frequentemente e era violento com certa constância (em família). Provavelmente, terá encetado relações extra-matrimoniais, que lhe pareceriam absolutamente normais...tanto quanto jamais toleraria que, alguma vez, idêntica ocorrência tivesse lugar com sua mulher. A sua virilidade, aliás, seria posta em causa se a esposa conduzisse o carro em vez deste (como chegava ocorrer à falta de carta deste), ou sustentasse (esta) a família em situação de desemprego do marido (ter a mulher, como sucedeu, que ir trabalhar para uma fábrica, com a presença de outros homens nesta, era, já de si, desonroso o bastante; a mãe de Eribon trabalhou como empregada em casa de patrões que praticavam, como era uso à época, assédio sexual; tinha-se casado, de forma pragmática, com o homem que viria a ser pai de Eribon, não por ser o seu desejado, mas porque em falhando este, por complicações familiares, queria emancipar-se e construir família...pode ser este como podia ser outro; a mãe de Eribon sempre se soube inteligente e sofreu, por consequência, por não ter chegado muito mais longe na hierarquia social por falta de oportunidades)
Se Eribon se filiará, também ele, claramente à esquerda - virá a ser trostkista -, a contradição a que se via obrigado era um peso que carregava sobre os ombros: se o mundo operário que conhecia bem tinha aquelas características, e em boa medida lhe causavam repulsa os sentimentos que ali germinavam (bem como os discursos/práticas) era, paradoxalmente, este (mesmo) operariado que, ideologicamente, se esperava que defendesse (e defendia convictamente, ao mesmo tempo).
O retrato cru de Eribon, sobre o modus vivendi da família, e do entorno operário à volta, como que tem algo do Orwell de O caminho para Wigan Pier, quando não idealiza a classe operária e a conta com a frieza e o objectividade tal qual...ela se perpetua na sua memória. O tradicionalismo, os preconceitos, a recusa do outro (de nacionalidade diversa) com o qual, porventura, se esperaria que estivesse em fraternidade - era, às vezes, a greve que irmanava, de facto, nacionais e estrangeiros, em França, em luta contra o mesmo patrão; mas era, pois, uma irmandade construída politicamente - não são, aqui, obnubilados. 
Nasceu na pobreza, na miséria mesmo, veio de uma família cujos ascendentes, não raro, eram analfabetos (como uma das avós [pp.50-51]; o pai ficou-se pela instrução primária), haviam casado e tido filhos muito cedo e, em sucedâneo, postos fora de casa pelos respectivos progenitores; estes, recusarão, pois, os seus descendentes que viravam-se como podiam (o pai passa a ser operário antes dos 14 anos; e trabalhará, em simultâneo, em duas fábricas), famílias extremamente numerosas (a sua avó foi presa por abortar (p.68); os irmãos de Eribon, com a sorte decidida à nascença - nos termos deste -, concluíram em mecânico ou outra profissão "não intelectual"; ele seria o "miraculado" [era um milagre gostar de livros, pp.108], cujos pais vendiam leite para ele poder estudar Platão, e que ainda assim na faculdade foi [teve que ser] vigilante de computadores e trabalhou num hotel para poder sustentar-se (os pais garantiam-lhe, e com que orgulho, dois anos na faculdade, mas não possuíam recursos económicos para mais)Mesmo com pais não crentes, e até anti-clericais, foi, por estes, baptizado e, bem assim, inscrito no catecismo, não faltando às devidas comunhões/profissões de fé.
Houve um tempo em que pretendeu-se afastado de toda a tarefa manual - que julgava menor e inapropriada para quem se queria um intelectual (até ao dia que viu um respeitável académico fazer estantes nos tempos livres); assim, e ainda, o gosto pelo futebol haveria de merecer o seu desprezo, forma última de se reconhecer um bom espírito - também isto lhe passou. O cuidado com o sotaque, a (auto) vigilância dos vocábulos e expressões a usar; a mentira, mesma, sobre as suas origens. Assim foi durante anos. E, na revisão de uma vida que o levou às causas sociológicas de tudo - no que lhe valeu uma suspensão dos juízos mais severos que ruminara sobre os familiares diletos -, o reconhecimento, todavia, ainda, de que sem dúvida as redes informais de sociabilidade são determinantes, mesmo com os melhores diplomas, para se chegar a um emprego razoável. Foi num círculo de homossexuais, por aí se espalharem pessoas de várias classes sociais (de aí poder subir ao elevador, portanto, dando o salto social), que acedeu às publicações de prestígio (ou nem tanto, no olhar esquerdista de Eribon sobre o Libe em metamorfose ou Nouvel que nunca o convenceu) e ao mundo cultural a que aspirava; sem se ter encontrado com aquele círculo, com as mesmíssimas qualificações (que alcançara), não iria a nenhum lugar dado o ponto de partida. O mesmo, conta, que o levava a não ter, inicialmente, no liceu (ele que sempre foi bom aluno), o comportamento, a disciplina, o polimento, a atitude, que o deveria levar mais longe - e como uma amizade, em particular, o levou a esses ganhos, ao conhecimento dos compositores, dos autores, na música e na literatura, que era necessário conhecer para se ser alguém; aprendeu modos, um outro vocabulário, uma maneira de ser diversa; como que passou para outro habitus (e como em Eribon um autor como Bordieu é determinante!), e esta imitação liceal (do seu colega, filho de pais universitários) foi-lhe fundamental. Mas escolheu espanhol - quando os melhores apontavam ao alemão - e foi para letras - quando melhores empregos estavam nas ciências porque nunca teve um background familiar que o ajudasse a ler e interpretar o mundo. De aí, também, ter principiado por desaguar numa universidade próxima de Reims, sensivelmente cavernícola no que ao estudo da Filosofia diz respeito. Só a mudança para a capital - e apesar dos lugares de engate na terra de origem, a mudança para a grande cidade para poder prosseguir, digamos assim, a sua orientação sexual era um clássico; neste aspecto, e ainda assim, Eribon escreve páginas pungentes de perseguição, homofobia policial, espancamentos e outras "torturas" que viu serem perpetradas sobre homossexuais, lembrando, ainda e antes, o modo como ele mesmo gozara, na precocidade da sua adolescência, colegas e dissera as mesmas palavras de ódio, como que tentando extirpar a dúvida sobre a sua orientação e extirpar, mesmo, essa parte de si - o fez penetrar, profundamente, na filosofia (fosse na sua história, fosse, muito especialmente, no conhecimento do pensamento contemporâneo e seus mais insignes cultores).
Para Eribon, só quem pertence à classe dominante não sente pertencer a uma classe, da mesma maneira que numa sociedade homogénea branca ninguém sente a cor da pele...a não ser que seja negro. Com Sartre, e contra Aron (que qualifica como "superficial"), assim a auto-biografia carregada de sociologia e ideologicamente marcada de Didier Eribon.
Pedro Miranda

terça-feira, 11 de junho de 2019

Aprender com a Biblioteca Escolar - Matemáticos e Cientistas perseguidos pelo Estado Novo - 10.º A - Cidadania e Desenvolvimento

Os alunos do 10.º A, na disciplina de Matemática, orientados pela professora Helena Monteiro e pela professora Bibliotecária elaboraram cartazes sobre matemáticos e cientistas perseguidos pelo Estado Novo.





quinta-feira, 30 de maio de 2019

Pensamento crítico - 7.º ano

O exercício consistiu em, depois de visto este excerto do comentário, do passado Domingo, de Miguel Sousa Tavares -  colocar alunos do 7.º ano, a pensarem em argumentos que eventualmente corroborassem esta perspetiva, outros que a contrariassem e que formulassem um juízo sobre o assunto. 




Na minha opinião, Miguel Sousa Tavares referiu aspetos com que concordo e outros com os quais não concordo. Por um lado, acho que tem razão quando diz que a “Geração Z” está mais preocupada com os computadores, pois, hoje em dia, os jovens passam muito tempo online, sem se preocuparem com o que acontece no mundo.
Por outro lado, não concordo com o seu comentário sobre os jovens não lerem livros ou jornais, não saberem nada sobre História e não gostarem de música clássica, porque ainda há muitos jovens que sabem e gostam daquilo que referi anteriormente. Por exemplo, a minha irmã, que está quase a fazer 18 anos, lê livros e jornais muito regularmente, é muito interessada em História e adora música clássica, principalmente quando estuda.
Do meu ponto de vista, os jovens não têm tanto interesse em votar, pois os partidos não fazem campanha com aspetos que interessem a estes. Também acho que gerações mais velhas têm muito mais interesse em votar, porque viveram em tempos de ditadura, onde estes não podiam votar e lutaram por isso.

Sara Lopes, 13 anos, nº28, 7ºC

Miguel Sousa Tavares está correto, no sentido em que os jovens de hoje em dia devem estar mentalizados que votar é importante e não devem fingir que isto não lhes diz respeito. O voto deveria ser obrigatório para que os jovens pensassem melhor sobre a eleição.
Mas, por outro lado, Miguel Sousa Tavares exagerou no sentido em que os jovens não são ignorantes pelo facto de não se interessarem por algumas das coisas que ele acha importantes, ou coisas que apreciava quando era mais novo.
Eu acho que os jovens de hoje podem ter futuro, mas com pessoas a criticarem-nos desta forma torna-se mais difícil os jovens interessarem-se pela cultura e pela política. Se alguém os incentivasse e acreditasse neles, poderiam ir mais longe.

Marta Azevedo, 13 anos, nº20, 7ºB

No passado domingo (dia das eleições europeias), 68,6% dos portugueses não foram às urnas exercerem o direito de voto. Miguel Sousa Tavares, no seu comentário na estação televisiva TVI, disse várias frases polémicas como “as respostas deles [jovens] iam no sentido de ‘não gosto de política, sou mais de computadores’. Chamam-lhes a «Geração Z», mas Z de quê? De Zero?!”.
Miguel Sousa Tavares tem razão, porque realmente devia existir menos abstenção e a campanha devia ser feita para os jovens. Porém, Miguel Sousa Tavares coloca a culpa toda nos jovens e isso está errado. Ele também se esquece que nem todos os 68,6% que se abstiveram são jovens, e quase todos os adultos que não votaram estão sempre a criticar o Governo. E também é normal que os jovens que viveram os ataques às Torres Gémeas e da Troika não gostem de política e se queiram abster. A “geração dos computadores” tem contribuído e muito para a evolução da economia e podem não votar mas contribuem para melhorar o país de outras maneiras.
A meu ver, Miguel Sousa Tavares tem a total razão em tudo aquilo que diz menos quando coloca a culpa toda nos jovens. Compreendo, contudo, que esteja mais zangado com estes, porque na época da ditadura ele já era vivo e adorava ter este direito que 68,6% dos portugueses desperdiçaram.

António Mestre, 13 anos, nº2, 7ºC

Eu concordo com Miguel Sousa Tavares, pois os estudantes muitas das vezes estão mais ligados às tecnologias do que propriamente às coisas que acontecem fora das mesmas ou às histórias dos antepassados.
Hoje em dia, os jovens encontram-se fora dos assuntos, principalmente na área da política e não se interessam pelos assuntos abordados. Mas, por outro lado, penso que ainda existe um pingo de gente que realmente se interessa e quer saber dos problemas do mundo e também tem a necessidade e a obrigação como bons cidadãos de irem eleger as melhores pessoas para representar o país, a cidade…

Inês Rainho, 13 anos, nº12, 7ºB.

Geração Z: eu não concordo com que Miguel Sousa Tavares disse sobre o Z em «Geração Z» (Z de Zero de interesse). Eu não acho que todas as pessoas cuja idade é compreendida entre 18 e 24 anos devam interessar-se pelas mesmas coisas. Se algumas pessoas gostam de ficar no computador, ninguém pode dizer que são desinteressados

História e Música clássica: Miguel Sousa Tavares argumenta que a «Geração Z» não tem interesse em História ou música clássica. Na minha opinião, os jovens não deveriam gostar todos de História e música clássica. Porque é que idolatram tanto História e música clássica? Qual é o mal de uma pessoa gostar de outros tipos de áreas, como ciências ou línguas, ou gostar de outros tipos de músicas como rap ou ópera ou música pop?

Miguel Sousa Tavares afirma que os jovens não leem jornais. Alguns jovens podem ver telenotícias e porque devem todos ler jornais? Os jovens não se podem informar de outra forma? Talvez o comentador ainda não tenha conhecido nenhum jovem que leia jornais e por isso que nenhum lê jornais.

Beatriz Teixeira, 13 anos, 7ºB, nº3

Primeiramente, Miguel Sousa Tavares diz-nos que a chamada «Geração Z» é uma geração com nenhum interesse pelos livros, jornais, política internacional, história e música clássica. Eu estou de acordo, pois o conhecimento e a cultura são a base da comunicação numa sociedade bem estruturada. O conhecimento é a nossa arma mais forte. Seguidamente, o jornalista e comentador diz-nos que os jovens são muito apáticos a tudo o que os rodeia. A meu ver, Miguel Sousa Tavares está errado porque há muitos jovens interessados na nossa cultura e inúmeros jovens estimulados pela internet, onde também se podem abordar assuntos sérios. Depois, este diz-nos que a campanha eleitoral devia ser dirigida aos jovens. Nesse caso, concordo com o jornalista porque se um assunto atraísse a mentalidade jovem, como a tecnologia ou a salvação do planeta, mereceria mais empenho da «Geração Z».

Manuel Fernandes, 13 anos, 7ºC

Atividade do Professor Pedro Miranda

terça-feira, 21 de maio de 2019

Momento de poesia na BE - 7.º F

Alunos do 7.º F, acompanhados pela professora Alexandra Alves.   


                                                                                                                                                                   






                                                                                 

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Dia do Pensamento crítico na UTAD


Dia do Pensamento Crítico

Cidadania e Desenvolvimento

No seguimento da atividade promovida pelo Professor Pedro Miranda com a Drª Maria Celeste Martins, Diretora do Estabelecimento Prisional de Vila Real, publicamos as respostas às entrevistas feitas pelos alunos do 10.º ano a cidadãos presos neste estabelecimento.

Para uma entrevista a um recluso do Estabelecimento prisional de Vila Real
1.Conte-nos quem é.
2.Como foi o primeiro embate com a realidade prisional (a entrada na prisão, o conhecimento das suas regras, o primeiro dia, a primeira noite?).
3.No momento da prática do crime que o levou a ser detido, acreditou que não seria intercetado pelo sistema de justiça português?
4.Considera que ser recluso mudou a sua maneira de ser? Em que medida/de que forma?
5.Conseguiu criar amizades no interior do Estabelecimento Prisional?
6.O que é mais difícil para si, na vida diária no Estabelecimento Prisional?
7.Que avaliação faz da comida que lhe é servida, dos serviços médico, psicológico, espiritual que lhe são disponibilizados, do tratamento dos guardas prisionais?
8.Como crê que a sociedade olha para as pessoas que estão detidas? Está comprometido, e tem esperança, na sua rápida reinserção na sociedade, no mundo do trabalho, na vida associativa, cultural, desportiva?
9.Se pudesse mudar algo no Estabelecimento Prisional em que se encontra, o que seria?

10.O que pensa da própria pena de prisão? O que mudaria se pudesse voltar atrás? Considera justa a situação em que se encontra? 





https://bibliotecasaopedro.blogspot.com/2018/11/cidadania-e-desenvolvimento-biblioteca.html


sexta-feira, 10 de maio de 2019

Educação ambiental | A importância das abelhas

Excelente palestra sobre a importância das abelhas para a vida na terra. Uma aula de Educação Ambiental muito esclarecedora pelo apicultor e escritor Paulo Santos.




A IMPORTÂNCIA DA LEITURA

Seguidores