Avançar para o conteúdo principal

Poema do Mês - escolhido por António Mestre - 8º C

POEMA DA MINHA NATUREZA


Crescem as flores no seu dever biológico,
e as cores que patenteiam, por sua natureza,
só podem ser aquelas, e não outras.
Vermelhas, amarelas, cor de fogo,
lilases, carmesins, azuis, violetas,
assim, e só assim,
tudo conforme a natureza.
Ásperas são as folhas, macias, recortadas
ou não, tudo conforme;
e o aprumo como tal,
ou rasteiras, ou leves, ou pesadas,
tudo no seu dever,
por sua natureza.

É como os animais.
Em cada qual, por sua natureza,
todo o dever se cumpre.
Comem, dejectam, dormem,
fazem amor nas horas competentes,
lutam, caçam, agridem,
rosnam à Lua, trinam, assobiam,
escondem-se, espreitam, fogem, amarinham,
dançam, mudam de pele, agacham-se, disfarçam-se,
tudo conforme a sua natureza.

Assim eu penso, e amo, e sofro, e vou andando.
Tudo conforme a minha natureza.

António Gedeão, Obra Completa

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trabalhos dos alunos do 8º ano Turmas D, F e G - Cidadania e Desenvolvimento - Realizados em articulação com a BE.

Cidadania e Desenvolvimento - 8ºE - Trabalhos realizados em articulação com a BE

Resultados do Concurso "A Melhor Quadra de Natal"

Eis algumas das melhores quadras de Natal que os alunos do 7º ano criaram: